domingo, 29 de agosto de 2010

Um cinturão

Um cinturão (Livro: Infância, Graciliano Ramos. 1945) O pai não encontrava seu cinturão, então surrou seu filho, achando que ele o tinha sumido, depois o descobriu na rede mais não se desculpou por orgulho, vaidade e medo de perder a autoridade. Assim se estraga a confiança do menino no pai e nos homens.
O primeiro que chama a atenção é o menino, criança humilhada e oprimida. O forte com poder castiga ao fraco, comete abuso, injustiça.
Percebe se problemas econômicos do pai.
Análise e anotações:
Introdução:
Os dois primeiros parágrafos
Começo da narração:
Meu pai dormia na rede....
O pai tem ira
Imagens do pai: aos berros, rosnar, resmungar
É uma pessoa primitiva, sem fala. Há uma simbiose entre o homem e a natureza. A personagem do sertão é seco. A realidade é seca, os sonhos são chuva, a chuva é suficiente para sonhar e ter esperança.
“O sertanejo é um forte” (Euclides da Cunha, Os sertões).

O conto tem só três falas e são do pai: onde estava o cinturão? (discurso direto). O restante é silêncio (discurso narrativo).