viernes, 26 de noviembre de 2010

Conto: A galinha (do livro "Laços de Família")

No conto “A galinha”, tem-se uma espécie de alegoria da condição feminina, ironicamente retratada na aflição da ave.
Neste conto tem se um movimento de ida e volta, de saída à rua e de nova reclusão, da súbita experiência de liberdade e de auto -descoberta, mesmo que seguida de nova alienação.
A galinha escolhida para ser comida no almoço escapa do quintal e foge pelos telhados, perseguida pelo dono da casa, finalmente a alcança, levando-a de volta depositando-a com certa violência no chão da cozinha, instante em que ela, de susto, põe um ovo e se salva, já que a menina da casa, seguida do próprio pai, reconhecem neste um filho, único motivo para a sobrevivência da galinha.
Tem expressões que se aplicam à galinha que valem para o feminino. A mulher passiva e doméstica que subitamente tenta um gesto de independência. O ovo salvador é como um filho da galinha "nascida” para a maternidade.
Na representação da galinha está a figura da mulher, "jovem parturiente", "esquentando seu filho", "correr naquele estado", "rainha da casa" e "deu à luz"
(além que a palavra galinha dá para significar mulher da rua, mulher fácil, mulher de muitos homens)