viernes, 8 de julio de 2011

Budapeste. 1

Primeira parte. Apresentação

O livro é um romance com uma vertigem de acontecimentos, transcorre no Rio de Janeiro e em Budapeste que é uma cidade atemporal, fria e vazia de qualquer humanidade. Quase uma fotografia.
A história é palatável, mas complexa. Aparentemente, é a história do brasileiro, José Costa que foi dar em Budapeste graças a um imprevisto, quando voava de Istambul a Frankfurt. Ele é o fio condutor.
O romance, apesar da confusão mental do narrador e protagonista, é de perturbadora ambigüidade, mexendo constantemente ao leitor, remetendo a um universo de duplicidade, de enganos, de muita aparência, alimentado por um mundo desconhecido. Narra os encontros e desencontros, os amores e desamores de José Costa, o choque cultural e o esforço que ele faz para encontrar-se num ambiente que é francamente adverso, hostil e frio.
O livro tudo transcorre nos relacionamentos entre ele, com as duas mulheres, com os meninos, com o trabalho e aprofunda no processo criativo e na aprendizagem da língua, para tentar desvendar os mistérios da vaidade humana.

As mulheres, os meninos:
O protagonista José Costa - Zsoze Kósta é um personagem, que tem uma vida dupla. No Rio de Janeiro é casado com Vanda quem tem uma imagem gêmea, Vanessa, e no Hungria convive com Kriska. Tudo faz supor que é um desdobre de personalidade, com as duas mulheres tem um relacionamento conflituoso. Será uma sozinha?
No Rio tem um menino com Vanda, Joaquim, que foi concebido num momento no que José se sentia despojado de amor próprio. O menino é obeso, desdentado, não fala (ou fala pouquinho) e não tem relacionamentos sociais. Kriska, em Budapeste, tem um menino, Pisti, é inteligente, sarcástico, é mais velho que Joaquim e ri muito pouco.
Vanda é jornalista de TV, sedutora, bonita. Kriska trabalha num manicômio e da aula de húngaro a Zsoze e é uma mulher libertina.
As mulheres são muito diferentes e os meninos também são.
Num momento, José abandona Vanda no Rio de Janeiro para descobrir-se Zsoze nos braços de Krista, em Budapeste... Outra vez Vanda passa as suas férias na Inglaterra e José em Budapeste.
Sempre que está na capital húngara hospeda-se no Hotel Plaza, nome genérico (em todas as cidades tem um hotel Praza), ele disse esse nome porque não conhece outro quando quer se alojar.
Duas mulheres, dois nomes... Acho que sua mulher é Kriska e Vanda é imaginada por perfeita, bonita, ser jornalista de TV. No livro se fala que José toma barbitúricos e Kriska trabalha num neuropsiquiátrico... Vanda se apaixona pelos escritos de José

O trabalho:

Álvaro Cunha é sócio-proprietário da Cunha & Costa Agência Cultural, fundada por Álvaro, amigo da infância de José quem trabalha na casa. O relacionamento entre os dois também é conflituoso, Costa acha que Álvaro o tornou nulo e outros escritores têm seu jeito na realidade acha que o jeito foi dado por Álvaro – não é jeito próprio.
O trabalho de José é escrever para outras pessoas discursos, declarações, notas e artigos inteiros que alcançam sucesso, são comentados, mas o mantêm anônimo. Ele vende a autoria do que escreve, e o produto vendido é um escrito à imagem e semelhança do comprador. Enquanto o que é que Álvaro faz? faz sociais e tira proveito dele.
O livro é também a vida dos homens e mulheres que escrevem para a glória de outros que aparecem e podem pagar. Eles são anônimos mais não estão sozinhos, pois existem tantos espalhados pelo mundo que chegam a se reunir em congressos mundiais de escritores desconhecidos.
No jogo entre os dois idiomas não se sabe o que é verdade e o que não é.
José é capaz de escrever sobre qualquer assunto, desde que seja sob a forma de prosa. Criou a "autobiografia" erótica de Kaspar Krabbe, um executivo alemão que "zarpou de Hamburgo e adentrou a Guanabara". No Brasil, aprendeu a escrever o português no corpo de uma mulher chamada de Tereza, e mais tarde nos corpos de prostitutas e estudantes que chegavam a fazer fila para merecer tal atenção. Vanda acabou se apaixonando pela autobiografia do alemão, escrita por José.
Num momento o idioma húngaro desapareceu de sua fala é Kriska começou a dar aulas em forma tácita porque tinha se enfadado com ele. Assim começou a dominar o idioma magiar, cria um livro de poemas, os Tercetos secretos, que sai assinado por um tal de Kocsis Ferenc, poeta em franca decadência. Krista considera os poemas nada mais que "exóticos", o que leva Zsoze a romper com ela. Ela estava engravidada por Kosta. Ele viu o parto nas filmagens.
Segunda parte: Roteiro