martes, 2 de agosto de 2011

Simone de Beauvoir. Sipnose dos livros lidos escritos depois de 1963


Uma morte muito suave (1964)
Beauvoir narra de forma terna e sensível a angústia que envolveu a internação de sua mãe, para tratar inicialmente de uma fratura do fêmur decorrente de uma queda; e, posteriormente, de sua morte, por câncer.
O relato descreve os absurdos da existência e se presta igualmente a uma interessante reflexão sobre o papel da medicina no prolongamento da vida artificial de doentes terminais.

A mulher Desiludida (1968)
Contadas em forma de diário escrito pelas protagonistas, são 3 histórias:A Idade da Discrição, Monólogo, A Mulher Desiludida. As histórias têm como temas a solidão e o fracasso, mas cada qual apresenta um enfoque específico. As mulheres desses relatos não compreendem bem o que lhes acontece. Um universo que até então lhes parecia seguro começa a se desmoronar e, aturdidas, elas perdem até mesmo a noção de sua própria identidade.

A velhice
1970
Do tratamento que as sociedades primitivas davam aos idosos até os problemas existentes nas sociedades atuais, Beauvoir propõe uma mudança radical na sociedade, de forma a desmistificar as hipocrisias que cercam a velhice.
Levantou questões e soluções dos idosos.

A cerimônia do adeus
. (1974)
Relato dos últimos dez anos da vida de Jean-Paul Sartre, companheiro de Simone por mais de cinqüenta anos, num tom ao mesmo tempo distante e comovente. Narra sua longa morte.
Um livro para se ler com muito sentimento.
No livro também há uma série de entrevistas feitas com Sartre em agosto e setembro de 1974.

Editados por Sylvie Le Bon de Beauvoir


Cartas a Sartre (1990)
Dividido em 2 volumes, o primeiro abrange os anos de 1930 a 1939; o segundo volume compreende o período entre 1940 e 1963. As cartas de Simone a Sartre foram dadas como perdidas por ocasião da publicação, em 1983, das cartas escritas por ele. Somente após a morte de Beauvoir, Sylvie Le Bon encontrou o volumoso pacote que as continha. No volume 1 constam as cartas que o casal trocou durante a guerra; no 2, relatos de viagens e cartas trnas e amorosas.

Cartas a Nelson Algren (1997)
Organizado por Sylvie Le Bon de Beauvoir, o livro reproduz a correspondência que Simone manteve com o escritor americano Nelson Algren, com quem viveu um complicado caso de amor, que se estenderia por quase vinte anos. O teor das 304 cartas (escritas entre 1947 e 1964) revela, entre muitas outras coisas, como Beauvoir dedicou-se intensamente a essa relação paralela ao seu já polêmico relacionamento com Sartre.

Cartas com Jacques-Laurent Bost
(2004)
Esta correspondência começa em 1937, quando Beauvoir tinha 29 anos e já vivia com Sartre havia 8 anos. Jacques-Laurent Bost, então com 21 anos, ex-aluno de Sartre, tinha vindo estudar filosofia em Paris. A moral do casal Sartre-Beauvoir pregava a transparência das relações e a liberdade dos corpos. Simone não esconde de Sartre a nova relação que rapidamente estabelece com Bost, um amor que será clandestino em virtude de Olga Kosackiewicz, então namorada dele.