martes, 8 de junio de 2010

Resumo: Capítulo 8

8. Ao lado do depósito de cadáveres estava o Bar do Necrotério, era um dos lugares mais animados. As mesas eram de ferro com tampos de mármore. O Bar era um dos pontos preferidos da boêmia da cidade. Tinha clima. As cervejas eram das melhores e tinham um método para evitar a fermentação. Na roda de amigos estava Chiquinha Gonzaga, menina de muito talento era adorada por todos os intelectuais. Ela só andava de companhias masculinas, coisa escandalosa para nobres e burgueses.
No jornal saíram as proibições para ordenar à população. Paula Nori as lia e todo era brincadeira. Comentaram a chegada de Sherlock Homes. O marquês de Salles estava no grupo, ele tinha sido designado para ir a recebê-lo. Ao comentar que sempre estava com o Dotor Watson fizeram piadas perguntando se ele era doente, hipocondríaco ou marica.
No grupo também estavam, o alfaiate Calif e Guimarães, o primeiro tinha feito muitos ternos e sobrecasacas para o segundo mas ele não pagava, então disse para ele que só lhe faria pequenas costuras.
Outra pessoa que estava era Olavo Bilac, ele tinha ouvido que Sherlock Holmes tinha uma capacidade de sedução extraordinária e que Pimenta ia lhe pedir ajuda pelas meninas mortas.
Nesse momento chegou Pimenta que estava aborrecido porque as notícias já tinham corrido. Foi quando Chiquinha disse que a notícia tinha saído do correio mesmo, de Paiva. Como o telegrama era de domínio público,não podia se negar.
Segundo Salles, um bom detetive tinha que ter capacidade de chegar a conclusões baseado nas pistas, usando apenas a lógica e o raciocínio. Pimenta aproveitou a roda para fazer uma demonstração. Contou o caso da senhora morta num jardim a duzentos metros de sua casa com um tiro na sua cabeça. Os intelectuais todos se aproximaram a escutar. O marido disse que ouviu o disparo, saiu correndo, viu que ela sangrava, foi buscar bandagens, retornou e ela tinha morrido, voltou a casa e chamou. Pimenta viu quatro trilhas, uma das botinas da mulher e três do marido, por isso achou que o tiro partiu do outro lado. Na casa estava o vinho sobre a mesa sem rola e com uma mancha escura no rótulo, o espelho partido... ele tinha ditado a prisão do marido e perguntava por quê? As pessoas começaram a dizer suas ocorrências... mas Chiquinha descobriu que a solução estava nas pegadas e ficou claro que Chiquinha estava roubando a noite. Nesse momento Pimenta estava frente de crimes mais complexos e quando ele comentou das orelhas, um frêmito de repulsa percorreu o bar. Provocou a Chiquinha para ir ao Necrotério da ordem da Terceira Penitência para examinar os cadáveres. Quando eles apresentaram os cartões, o vigia noturno abriu. Pimenta disse que a justiça não tinha horários por isso estavam nessa hora. O corredor era tortuoso, tinha um forte cheiro a formol. O encarregado era anão e pertencia a uma família de circo. Ele teve que deixar porque começou a crescer, seu nome era Gervásio.
Gervásio se referiu à pedras de gelo natural que vinham de América do Norte, eram guardadas em depósitos especiais. Às vezes os vapores chegavam com atraso e causava inconvenientes nos mortos. Mostrou os corpos das meninas e o grupo ficou aterrado. As moças pareciam estar em sono profundo, as vieram belas. O delegado provocou novamente a Chiquinha, ela disse que não era especialista. Ele falou das cordas e ela disse que eram de violino e que as poderia mostrar em outro sítio. As cordas eram a primeira (sol) e a última (mi). O grupo partiu, o anão ajudou com os portões, já sozinho tirou o sanduíche de seu bolso e comeu...