viernes, 26 de noviembre de 2010

Conto: Uma amizade sincera

A amizade vista como um desconforto. O cotidiano de dois amigos; as confidências serão um pacote que ambos suportam pela amizade. A confidência e a solidariedade, são marcados negativamente, os relata com uma carga de ironia; os momentos ruis são os mais valorizados.
A amizade sincera é aquela que não pode continuar sendo; a perda, a despedida, é consequência de um afeto intenso.
Uma leitura tranquilizadora deste conto tende a negar a afirmação final do narrador de que eram "amigos sinceros". Esta "amizade" seria exagerada, muito exigente e egoísta ("se eles cedessem cada qual um pouquinho, dava pra continuar amigos")
Este conto tem duas características fundamentais: a originalidade do estilo e a profundidade psicológica.
A partir de certo momento, os assuntos começaram a faltar. Às vezes, marcavam encontro e, juntos, não tinham sobre o que conversar. Calados, logo se despediam e, ao chegar cada qual em sua casa, a solidão batia mais forte.
Ao morar no mesmo apartamento, ficaram alegres, porém instalou-se a falta de assunto. Só tinham amizade e mais nada. Tentaram organizar umas farras no apartamento, contudo a vizinhança reclamou.
A solidão de um ao lado do outro era incômoda demais.
"Não queríamos nos rever. E sabíamos também que éramos amigos. Amigos sinceros.”