lunes, 27 de diciembre de 2010

Livro: Feliz Ano Novo (1975)

É indispensável a leitura deste livro de contos para conhecer o mínimo a respeito de Rubem Fonseca,
Meses após a primeira publicação, o governo militar, com seu autoritarismo, proibiu a circulação do livro.
O ministro Armando Falcão, responsável pela censura, disse do livro o seguinte: "Li pouquíssima coisa, talvez uns seis palavrões, e isso bastou".
Um senador ligado aos militares declarou sobre Feliz Ano Novo que "Suspender foi pouco. Quem escreveu aquilo deveria estar na cadeia e quem lhe deu guarida também. Não consegui ler nem uma página. Bastaram meia dúzia de palavras. É uma coisa tão baixa que o público nem deveria tomar conhecimento".
O livro Feliz Ano Novo e seu autor tinham recebido julgamentos favoráveis e contrários.
Apenas em 1989 o público brasileiro pôde adquirir nas livrarias novos exemplares do livro Feliz Ano Novo que gozou de grande sucesso.
Toda a polêmica levantada por estes contos foi por que pela primeira vez, a literatura brasileira retratava a vida de um país urbano, industrial, com desigualdades históricas, que nos anos 70, viraram na violência social e na pobreza que repercute até os dias de hoje. Rubem Fonseca consegue, com seus contos, perceber um país de língua vulgar, de práticas criminosas tão próximas, em que a vida começa a valer muito pouco, em que personalidades verdadeiras sucumbem ante o poder do dinheiro e da máquina de exclusão social. Narrar casos de violência extrema serveu para desnudar a facilidade com que se adere ao cinismo e à hipocrisia.